Um processo de fácil implantação, alta produtividade, baixo consumo de matéria-prima e excelente relação custo-benefício.

Nos últimos anos, o mercado tem apresentado uma gama enorme de variações no ramo do design. Os objetos de uma forma geral seguem padrões inovadores e, para decorá-los e personalizá-los, a tampografia tem sido uma opção viável.

“Do ponto de vista da produtividade, tem aumentado a necessidade de aumentar a produção diminuindo seus custos. Nesse aspecto, a tampografia é um processo compacto, preciso e ágil, permitindo alta produtividade em espaços cada vez menores e com o mínimo de mão de obra”, explica Bruno Palmeira, diretor comercial da Tampoart Técnicas Tampográficas.

A tampografia é uma técnica de impressão por transferência indireta de tinta a partir de um clichê gravado em baixo-relevo com o motivo a ser impresso por um tampão (almofada) de silicone.

Trata-se de um processo com poucas limitações.

É utilizado principalmente quando o objeto tem formatos não planos e irregulares, como objetos curvilíneos, arredondados e circulares, mas também pode ser utilizado em objetos planos.

Podemos usá-lo em materiais plásticos, metálicos, vidros, tecidos, borrachas, materiais siliconados e, ainda, em superfícies ou locais de difícil acesso, como: no fundo interno de um copo, bem próximo de um degrau, sobre superfícies com irregularidades diversas como um tubo “corrugado” ou uma casca de noz. Permite, também, gravar sobre uma esfera com perfeição, ou letras e caracteres muito pequenos a ponto de só serem lidos com auxílio de uma lupa, entre outros instrumentos sofisticados, por exemplo uma cromia com qualidade quase fotográfica, como em um CD ou DVD.

“Acreditamos que todos os segmentos da indústria nacional possam utilizar direta ou indiretamente a tampografia, seja para identificação, decoração, informação ou rastreabilidade”, comenta Alexandre Redondo Marques, do Departamento de Marketing e Vendas da Wutzl Sistemas de Impressão.

Devido a essa grande área de atuação, a tampografia se torna uma vantagem competitiva, atendendo diversos nichos do mercado e chegando assim a um grande número de prováveis consumidores.

“Podemos listar aqui a área de brindes promocionais: canetas, chaveiros, pen drives e uma gama enorme de produtos destinados ao mercado de brindes. Outra área que pode ser muito bem explorada é a indústria de materiais eletrônicos. Observe que em qualquer objeto eletrônico é necessário impressão, seja de numeração, indicadores, logomarca ou informações técnicas. Podemos incluir: teclados em geral, painéis de equipamentos eletroeletrônicos, indústria de eletrodomésticos, ferramentas e uma infinidade de produtos que necessitam de personalização. Na área têxtil, tem aumentado significativamente a procura por equipamento tampográfico para impressão de etiquetas tag less”, relata Bruno Palmeira.

Em uma empresa que vai utilizar o processo tampográfico, é necessário:

  • Disponibilidade de AR COMPRIMIDO;
  • Ponto de energia elétrica;
  • Local de trabalho limpo e isento de poeira;
  • Escolha da máquina de tampografia: MANUAL, ELETROPNEUMÁTICA ou ELÉTRICA;
  • Definir o tipo de clichê que vai utilizar: fotopolímero, lâmina de aço ou bloco de aço;
  • Definição do modelo do tampão de silicone de acordo com o tipo de peça que vai gravar;
  • Tinta de acordo com o substrato que vai gravar;
  • Confecção do dispositivo de apoio para peça durante o processo de impressão.

Tipos de clichês e suas aplicações:

Bloco de aço:

Normalmente padronizados pelos fabricantes de máquinas tampográficas, são fabricados em aço especial, temperados com alta dureza. São econômicos quando utilizados para altas tiragens (acima de 200.000 impressões).

As medidas mais usuais são: 80×80, 120×80, 100×100 e 100×200 mm, todos com espessura de 10 mm. São também os clichês mais indicados para trabalhar com tinteiros selados. São clichês de vida longa, acima de 1.000.000 de impressões.

Lâmina de aço – Printak express/base magnética

São clichês de lâminas de aço temperado com espessuras normalmente de 0,5 a 1 mm e que têm vida útil média (podem variar de 100.000 a 500.000 impressões).

São utilizados sempre com uma base magnética, mas, em casos isolados, são colados com fita dupla face em placas comuns de aço. Nesse caso, pode-se comprometer a qualidade da raspagem da tinta forçando o desgaste rápido dos clichês e das lâminas de raspagem.

Fotopolímeros – Nylonprint/base magnética

São ainda quase uma novidade no Brasil, mas, na Europa, Estados Unidos e Japão são largamente usados há muitos anos. Trata-se de uma lâmina de aço bem fina revestida de um lado com um polímero fotossensível que, após uma série exposições à luz ultravioleta (especial) e banhos em água e/ou soluções, atinge uma dureza razoável e que permite se trabalhar com tintas comuns (as mesmas usadas com os outros clichês).

Também tem que ser utilizados com base magnética e têm a vantagem de poderem ser “fabricados” pelo próprio usuário em um tempo muito pequeno (de 12 a 15 minutos), tendo-se em mãos um equipamento simples para sua revelação.

Apesar de não suportarem mais que 20.000 raspagens, são muito procurados por empresas de brindes devido ao seu baixo custo (fácil amortização em pequenas quantidades) e também à rapidez com que pode ser “fabricado”.

Algumas empresas grandes também utilizam os clichês de fotopolímeros como “socorro” no caso de o clichê de aço riscar ou danificar. Até que se fabrique outro clichê de aço, o clichê de fotopolímero feito em 15 minutos não deixa a produção parar. Sua qualidade de impressão é tão boa e em alguns casos até superior aos clichês de aço convencionais.

Existem diversos tipos de fotopolímeros, com maior ou menor durabilidade e qualidade.

Tipos de Tampões:

Tampões de silicone: São preparados através de moldes especiais. Possuem muitas variáveis: dureza, espessura, formato, cor. Cada combinação atende a um tipo de necessidade associada à qualidade e resultado desejado.

“A Tampoart presta assessoria para que o cliente possa escolher, entre os mais de trezentos tipos de tampões, qual o mais adequado para a sua produção”, conta Bruno.

A utilização de tampões com base ecológica é outra grande tendência. Esses tampões que são encaixados em uma base fixa reaproveitável e não usam madeira se consolidaram como sendo o método mais rápido e seguro de se fixar um tampão na impressora. Permitem a troca do tampão sem o uso de ferramentas e sem perder o ajuste da posição.

Em tempos onde a sustentabilidade se faz cada vez mais necessária, o processo tampográfico permite tintas com diluentes sem componentes químicos.

“A tampografia, entre todos os processos, é o que oferece menos risco aos operadores e o que consome a menor quantidade de tinta, o que nos permite dizer que é o processo que polui menos. A Tampoart também produz equipamentos adaptados à legislação NR-12”, enuncia Bruno.

Vantagens da tampografia

  • Altíssima qualidade de impressão em grafismos e traços finos;
  • Possibilita impressões em superfícies irregulares, côncavas, convexas e em degraus;
  • Processo de impressão contínua, sem necessidade de constantes paradas para acerto na qualidade de impressão, possibilitando elevada produção horária;
  • Índice mínimo de rejeição de peças e com possível recuperação, ocasionando economia de material e ganho de produção;
  • Número extremamente elevado de impressões com o mesmo clichê e possibilidade de impressão em até 4 cores na mesma máquina.

Se por um lado a tampografia tem perdido espaço para técnicas de impressão digital, de outro, a cada dia novos nichos e aplicações são descobertos onde só a tampografia pode ser empregada e o balanço resta positivo ano após ano.

“Um grande destaque merece ser dado ao surgimento das primeiras impressoras tampográficas totalmente elétricas. Especificamente as movidas a servo motor deverão ser grande tendência. O investimento ainda é cerca de 80% superior ao de uma impressora pneumática, mas as inúmeras vantagens, incluindo economia de energia elétrica, a maior precisão de movimentos e o menor custo de adequação à NR-12, praticamente reequilibram a diferença”, conta Alexandre.

A tampografia é um excelente ramo de atividade que permite ganhos significativos.

“Com o uso da tampografia, abrem-se as portas para mercados nunca antes explorados, em diversos ramos da indústria, que consome de forma constante e substancial este serviço. Ainda há um grande espaço de crescimento para quem trafega nesta área. Temos uma estimativa de crescimento muito grande para o próximo triênio, quando esperamos que a questão da pandemia esteja sob controle. O interessante neste mercado é que ele atende, concomitantemente, as necessidades do MEI, da micro, média e grande empresa. Quase todo produto fabricado no mundo precisa de algum tipo de personalização”, finaliza Bruno.

Agradecimentos:

Wutzl Sistemas de Impressão www.wutzl.com.br

Tampoart Técnicas Tampográficas www.tampoart.com.br

pt_BRPortuguese

Receba nossas News

Deixe seu melhor email